.Música

.A visitar

.Arquivos

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

.Novembro 2009

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.mais sobre mim

Quarta-feira, 1 de Agosto de 2007

Proibir!

chegou um novo livro. Chama-se Proibir! e relata as coisas que eram proibidas no tempo de antigamente.

De entre as coisas que já sabiamos, certos livros e certos filmes. Era também proibido casar com uma enfermeira ou uma professora. Era proibido andar de bicicleta sem licença e dar um beijo na boca.

Na contra capa pode ler-se o pequeno excerto:

"O beijo na boca era qualificado de acto exibicionista atentatório da moral. Levado para a esquadra, ou para o posto da GNR, o delinquente beijoqueiro era identificado, autuado em pelo menos de 57 escudos (um valor variável, em função de critérios que hoje nos escapam), e passava invarialmente pela cadeira do agente-barbeiro, de onde saía de cabeça rapada, máquina zero)

Tratava-se, afinal, de defender a moral castradora da ditadura e as leis e regulamentos multiplicavam-se, tentado enquadrar o que nao tinha enquadramento.

Ficou célebre a portaria nº69035 da Câmara Municipal de Lisboa, datada de 1953, que, dado verificar-se o "o aumento de actos atentatórios à moral e aos bons costumes, que dia a dia se têm vindo a verificar nos logradouros públicos e jardins e, em especial, nas zonas florestais de Motes Claros, Parque Silva Porto, Mata da Trafaria, Jardim Botânico, Tapada da Ajuda e outros", determinava à polícia e aos guardas florestais "uma permanente vigilência sobre as pessoas que procurem frondosas vegetações para a prática de actos que atentem contra a moral e os bons costumes".

E estabelecia que o artigo 48.º fosse desta forma cumprido:

"1.º - Mão na mão 2$50

2.º - Mão naquilo 15$00

3.º - Aquilo na mão 30$00

4.º - Aquilo naquilo 50$00

5.º - Aquilo atrás daquilo 100$00

6.º - Parágrafo único - Com a língua naquilo 150$00 de multa, preso e fotografado."

Assim é que o Socrates ia tirar o país da miséria lol

publicado por alguém às 12:23
link do post | comentar | favorito
|
4 comentários:
De neva a 1 de Agosto de 2007 às 14:27
hehe, isso é que era, força socrates força
De despertando a 1 de Agosto de 2007 às 15:04
Ainda me lembro que o meu irmão estando ~com a farda de soldado se encontrasse a minha cunhada na rua. tinha de tirar o chapéu para a poder acompanhar lado a lado.
Eram tempos lindos, cheios de cerimónias, lol,lol
Quero esse livro para oferecer ao meu pai.
De Mafalda a 2 de Agosto de 2007 às 13:41
loooooooooooooooooool
Ah pois, acabava a crise k era um instante!
De serotonina a 3 de Agosto de 2007 às 15:53
olha, vou ali ao lado fazer um mealheiro e já volto! Bolas tenho que juntar muito dinheiro!

Comentar post